banner multi
Capa Memória Colunistas Cinema em Pauta Sherlock Holmes: O Jogo das Sombras
cinema-pauta
Sherlock Holmes: O Jogo das Sombras Imprimir
Escrito por Bruno Moura   
Quinta, 26 de Janeiro de 2012 - 12:07

sherlockRobert Downey Jr. retorna ao papel do detetive mais famoso do mundo, numa trama intrincada que envolve seu maior arqui-inimigo, professor James Moriarty. Só essa premissa já vale seu ingresso e realmente o filme se mostrou melhor que o seu antecessor. Guy Ritchie retorna para comandar o filme dando contornos que levam o filme a algo que poucos conseguem: prender o público a história.

O roteiro foi bem elaborado, mas ao que percebi, sua trama é elaborada de forma tão inteligente que ficou in-condizente com a velocidade do filme. Tudo é muito rápido e você não tem o tempo que gostaria para raciocinar e tentar vislumbrar a genialidade do plano de Holmes. Neste aspecto, é um filme que vale a pena ser assistido uma vez mais.

A trama segue num ritmo acelerado e com cenas de ação que exageram no uso do efeito em câmera lenta. Apesar disso, ela é expandida para um patamar maior, se comparado com o primeiro. Holmes e seu fiel companheiro, Watson, acabam percorrendo a Europa com a ajuda da cigana Simza tentando desvendar o plano do professor Moriarty, algo que poderá causar o inicio da Primeira Guerra Mundial.

No quesito atuação, Robert Downey Jr. da pitadas diferenciadas em certos momentos da trama, do humor até o ápice da genialidade do personagem. Isso certamente lhe dá destaque, além do fato de ser o personagem principal. Jude Law por sua vez consegue dar um ar de seriedade para Watson mesmo em situações cômicas. Ele levou o personagem tão a séria que pareceu encarná-lo. Entre todas as atuações, a mais destacada de longe foi a de Stephen Fry, que deu vida ao irmão de Holmes, Mycroft. Jared Harris, o professor Moriarty, mostra o lado astuto, carismático e calculista que o vilão necessita ter. Não esqueçamos a cigana Simza, vivida por Noomi Rapace. A atriz não compromete o papel e nem gerou grande destaque, mas mostra potencial que pode ser melhorado, caso venha a aparecer novamente.

As locações e o figurino dos personagens foram tão bem desenvolvidos que não deram brechas à desconfiança. A fotografia abusa de tons escuros para dar o ar obscuro ao filme, numa história onde o vilão parece estar sempre um passo a frente de Sherlock Holmes. Uma dosagem maior de humor é uma das pitadas que dão um clímax diferenciado a trama. Aí posso dizer que há momentos que há piadas que são usadas de forma genial enquanto em outros momentos elas seriam desnecessárias.

O entrave entre Sherlock Holmes e o professor Moriarty envolve jogadas de inteligência semelhantes às usadas em um jogo de xadrez. Quanto ao final, posso dizer que não deixa informações óbvias sobre uma possível continuação, mas suposições sempre existem, ainda mais se levar em conta que Hollywood objetiva lucrar sempre, seja qual for à franquia. Um filme que não decepciona e que vale a pena ser assistido e apreciado, mesmo permanecendo o sentimento de que poderia ter sido melhor.

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA