banner multi
Capa Memória Colunistas Cinema em Pauta Área Q, filme produzido por brasileiros e americanos, é um contraponto aos profetas do fim do mundo
cinema-pauta
Área Q, filme produzido por brasileiros e americanos, é um contraponto aos profetas do fim do mundo Imprimir
Escrito por Bruno Moura   
Quarta, 11 de Abril de 2012 - 13:01

area-qNa noite de segunda-feira (dia 2), ocorreu a sessão de pré-estreia do filme "Área Q", uma co-produção entre produtoras dos Estados Unidos e do Brasil, com distribuição pela Califórnia Filmes. O evento aconteceu no Cinemark do Barra Shopping, na Zona Sul de Porto Alegre, e teve sessão lotada. "Área Q" chega aos cinemas com uma proposta diferente, fugindo do convencional.

Ao contrário da maioria dos filmes, que focam o gênero comédia/romance, "Área Q" apresenta uma história envolvente que trata de ufologia, tendo como o cenário o interior do Ceará. As cidades usadas como locações, foram Quixadá e Quixeramobim. Além delas, outras cenas foram gravadas em Los Angeles.

As filmagens iniciaram em 2009, mas só agora ele chega às telas. Sobre o filme, o produtor Halder Gomes comentou que a escolha de seu lançamento ocorre em 2012, pois este é um ano em que se prega o apocalipse, o fim do mundo. Entretanto ressalta que o filme é um contraponto a esse pessimismo. Nesses três anos, o filme passou por um período de maturação, e, após a conclusão das gravações, ocorreu a edição dos efeitos especiais. E complementou: "É um filme que tem muitos efeitos visuais. Isso requer um tempo pra fazer, e posso dizer que os efeitos foram feitos de uma forma artesanal". De autoria de Marcio Ramos, um profissional cearense que fez o curta "Vida Maria", um dos mais premiados em 2007 e 2008, os efeitos visuais são resultado do seu trabalho que desenvolveu sozinho, e por isso levou mais tempo para ser concluído.

No elenco, o americano Isaiah Washington, conhecido por atuar no seriado "Grey's Anatomy", que contracena com Clint Eastwood e interpreta Thomas Mathews, um renomado jornalista que tenta lidar com a perda do filho. Nos anos 90, diversos fatos conduzem Mathews até interior do Ceará, para investigar os casos em que pessoas avistaram objetos voadores não-identificados (ovnis). No Brasil, ele busca as histórias sobre os avistamentos de alienígenas nas pequenas cidades de Quixadá e Quixeramobim, conhecidas como Área Q. Durante a investigação, Thomas conhece João Batista, (Murilo Rosa), um caboclo que tem muitas respostas sobre o que está acontecendo nessa área e também sobre o filho de Thomas.

O jornalista investiga acompanhado de Eliosvaldo, seu tradutor, que é interpretado pelo ator Ricardo Conti. Presente na pré-estreia, Conti comentou: "Eu estou com ele o filme inteiro, então é um desafio". Para este trabalho, explicou, foi necessário frequentar um laboratório de expressão a fim de adquirir o sotaque cearense, mesmo em suas falas em inglês.

De acordo com o produtor da Estação Luz, empresa nacional, Ricardo Riham , apesar do filme ser um co-produção entre Brasil e Estados Unidos, todos os produtores envolvidos são brasileiros. O braço estrangeiro do projeto é de uma produtora de Los Angeles, de propriedade de um brasileiro radicado no EUA que iniciou o projeto, onde o filme seria rodado originalmente: no Arizona. Porém, destaca Riham, "em função de acordos com outras produtoras brasileiras, nós trouxemos o filme para o Ceará".

Com uma temática totalmente diferente do convencional, o filme se destaca justamente por apostar num tema não tão aproveitado no cinema nacional. "Produzir cinema no Brasil requer uma dose de ousadia", ressalta Riham. "Eu acho que, antes de escolher a temática, a gente escolheu uma boa história". Então, segundo ele, além do filme ter uma boa história, "é bonito e vem com mensagens elevadas e positivas". E conclui: "ele é um filme otimista, como nós brasileiros somos".

Quanto à expectativa, de acordo com o produtor Halder Gomes, "é a melhor possível, pois o filme tem despertado muita curiosidade". Num comparativo com o futebol, ele ressalta que o cinema é imprevisível. Entretanto quanto ao resultado, afirma que infelizmente, mesmo com nuances da curiosidade que existe sobre o filme, com o feedback do exibidor e das noticias que chegam através da imprensa, "a gente nunca tem como prever". E conclui: "Estamos muito otimistas. Nós acreditamos muito nesse filme e no potencial dele".

"Área Q" é uma dica para quem quer fugir do óbvio e assistir algo fora do convencional. Com uma história envolvente e um final surpreendente, o filme é uma dica para os cinéfilos que buscam uma história original. 

Em cartaz no circuito nacional a partir de 13 de abril, Área Q  chega ao Estado com a  assessoria da empresa gaúcha  FaGICOM.

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA