banner multi
Capa Memória Colunistas Cada um com seu cinema Guerra Sem Cortes faz sérias denúncias sem reconhecimento
cadaumcinema
Guerra Sem Cortes faz sérias denúncias sem reconhecimento Imprimir
Escrito por Matheus Pannebecker   
Terça, 14 de Setembro de 2010 - 14:05

briamO projeto Cineclube ZH acontece mensalmente e sempre traz filmes com temáticas para serem debatidas em uma sessão especial. A cada exibição, o projeto traz um profissional para debater a temática do filme junto com algum crítico da Zero Hora. Para essa edição, foram escolhidos Marcelo Perrone, crítico de cinema da Zero Hora e Paulo Vizentini, coordenador do curso de Relações Internacionais da UFRGS. O filme exibido foi Guerra Sem Cortes, de Brian de Palma.

É preciso ter muita coragem para realizar um filme que, desde antes do seu lançamento, já está fadado a passar em branco por cinemas e locadoras. Mesmo sabendo que Guerra Sem Cortes não seria reconhecido e muito menos alcançaria êxito nas bilheterias, o diretor Brian De Palma resolveu ir em frente com o projeto. Mas, não foi diferente: o projeto estagnou na arrecadação e, pelo mundo, também não teve sucesso. Aqui no Brasil foi exibido apenas nos festivais do Rio de Janeiro e de São Paulo. Afinal, quem iria exaltar, em plena era Bush (o projeto é de 2007), um filme que faz uma forte denúncia sobre as atrocidades cometidas pelo exército norte-americano no Iraque?

Se tantos outros filmes falharam no relato dessa guerra ou, então, foram completamente superestimados (como é o caso do vencedor do último Oscar, Guerra ao Terror que é apenas bom), o trabalho de Brian De Palma em Guerra Sem Cortes foi o mais injustiçado. De todos os retratos que o cinema já fez sobre o Iraque, esse é, sem sombra de dúvida, o mais contundente. De Palma não juntou imagens reais e nem formou uma espécie de documentário, mas escreveu o roteiro baseado em situações que aconteceram de verdade e, simplesmente, transferiu cada situação da realidade para a encenação. Ou seja, tudo o que acontece no filme foi alguma situação relatada por soldados ou outros envolvidos. Por isso, frequentemente, o longa parece um pouco encenado demais e menos natural do que deveria transparecer.

É perceptível a vontade do diretor de querer chocar e emocionar, principalmente em cenas mais pesadas de violência. Tanto o uso da trilha sonora quanto a interpretação do elenco evidenciam isso. Podemos encontrar, também, o tradicional delineamento de quem é mocinho ou bandido. Para alguns, o filme pode parecer fake por todas essa escolhas do diretor de encenar a realidade com atores. A meu ver, não foi assim. Por mais que seja fácil perceber esses elementos, em momento algum considerei o filme prejudicado por eles. Pelo contrário, toda a emoção funciona e a denúncia tem um êxito digno.

Se, logo nos créditos iniciais, Guerra Sem Cortes não anunciasse que as imagens são encenadas – e, talvez, seja em função disso que possamos perceber uma clara dramatização na história – seria fácil acreditar que estamos diante de um documentário (afinal, as imagens são filmadas com câmera digital, como se fosse um relato pessoal feito por um dos soldados). E a boa notícia é que o resultado final deixa uma excelente impressão: Guerra Sem Cortes funciona como drama e, também, como documentário. É de se lamentar que o filme melhor executado sobre a guerra do Iraque tenha sido, justamente, aquele que menos teve reconhecimento. Uma pena.

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA