banner multi
Capa Memória Colunistas Cronicando Pátria amada, Brasil!
Pátria amada, Brasil! Imprimir
Escrito por Gabriel Guidotti   
Quarta, 25 de Fevereiro de 2015 - 16:20

independence of brazil 1888“Tudo farei para o povo, mas nada pelo povo”. A frase, célebre na história, é atribuída a Dom Pedro I – o homem que justifica a Semana da Pátria – dias antes de sua abdicação ao trono. Invariavelmente, as palavras do estadista soam inapelavelmente literais, e os atentos notarão que, mais de século depois, a mesma mentalidade mesquinha permanece chancelando os projetos de poder que assumem mandatos eleitorais. Será que, do nascimento, o governismo brasileiro está condenado à incipiência moral e administrativa para sempre?

Em uma conjectura internacional que demandava o fim do antiquado sistema metrópole-colônia, e afrontado por uma coroa portuguesa que planejava, cada vez mais, impor implacáveis restrições, Dom Pedro I, na condição de regente, finalmente declarou a Independência. Era um homem de muitas facetas, mas não um herói nacional propriamente dito. Gabava-se de duas particularidades: mulherengo insaciável e um mandatário simpático aos direitos civis, embora autoritário quando contrariado. Em 7 de setembro de 1822, gritou “Independência ou morte” à beira do riacho Ipiranga, atualizando o status do Brasil. Desde então, o povo brasileiro deitou em berço esplêndido.

Diferentes formas de governo compuseram a história do país. Do imperialismo à democracia, muitas ideologias se chocaram – de forma truculenta, inúmeras vezes. Posturas beligerantes de governos regionais também atentaram contra a unidade nacional, criticada em razão dos privilégios concedidos a certos estados – e a certas classes. Apesar de sangue derramado, e de muitos retrocessos pelo caminho, a pátria prosperou. E existe um significado fundamental nisso.

O exercício da democracia não se pratica, unicamente, com o clique obrigatório na urna, mas também pelo reconhecimento de que o país é rico em riquezas naturais, culturalmente colorido e, inequivocamente, alimentado pelo potencial daquilo que poderia se tornar. Tais constatações se manifestariam por meio de uma sociedade crítica e atuante, que enveredaria para os caminhos da ética e da afirmação. Reconhecer os problemas do presente para lançar os alicerces do futuro, eis o valor da Independência.

Há um consenso de que o Brasil vai mal. Na hora de argumentar o porquê, entretanto, poucos sabem elencar os motivos. Isso tem nome: pessimismo e ignorância. Enquanto o brasileiro não perder este “Complexo de vira-lata” e começar a se enaltecer ao patamar que merece, não há político que abdicará de seu projeto de poder em favor de um projeto de governo. Comecemos pelo arco eleitoral: não é de hoje que o sistema partidarista, sem exceções, se vendeu à praticidade das coligações, a fim de acumular o maior número de votos. Destarte, situação e oposição estão separadas por linhas tênues e é justamente a conivência do eleitorado que permite estas práticas.

Resumo da ópera: o Brasil vai muito além de uma forma de governo; depende de sua nação. Neste fim de semana, é a hora de fazer uma reflexão moral e humanística. Estude candidatos, não partidos. Vote nulo se esta for sua convicção! Mas escolha conscientemente, pelo menos até o ponto de conseguir justificar suas opções. Chega de promessas eleitoreiras e desinteresse eleitoral. Em 2014, a data que marca o nascimento da pátria precipita uma mudança de postura. Dom Pedro I que nos perdoe, mas chega do ciclo vicioso: dessa vez é “pelo povo”.

Visite também o blog do aluno: http://gabrielguidotti.wordpress.com/

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA