banner multi
Capa Memória Cultura "Reflexio - Imagem Contemporânea na França" no Santander Cultural
"Reflexio - Imagem Contemporânea na França" no Santander Cultural Imprimir
Escrito por Emmanuel Denaui   
Terça, 28 de Abril de 2009 - 14:31

capa

Iniciou no dia 23 de abril, no Santander Cultural da capital dos gaúchos, a mostra “Reflexio – Imagem Contemporânea na França”. A exposição, que se estende até o dia 24 de Julho, exibe todo charme e criatividade de expressivos nomes da fotografia francesa, consagrados no circuito internacional e respeitados pela crítica especializada. Catherine Rebois, Valérie Jouve, Patrick Tosani, Suzenne Lafont, Eric Rondepierre e Jean-Luc Moulène são os fotógrafos que mostram uma França globalizada, com destaque para os pontos comuns entre franceses e brasileiros.

Catherine Rebois apresenta uma série com 23 microfotografias, em seqüência, chamada ‘O tempo de um caso’. Diplomada pelo Conservatório Livre de Cinema Francês e com mestrado em Artes Plásticas e Fotografia, Catherine é fotógrafa da imprensa. Seu trabalho destaca o corpo e o retrato, a forma e o conteúdo e reflete sobre a defasagem entre o pensamento e a realidade exterior. Em Reflexio mostra imagens enquadradas e tratadas quase como narrativas de livros ou quadrinhos.

Valérie Jouve aborda a fotografia enquanto sociologia, e interroga o individuo e seus hábitos. Licenciada em Etimologia, na Universidade de Lion, ingressou na Escola Superior de Fotografia e Arte. O seu trabalho enfoca paisagens, indivíduos e a arquitetura de ruas. Na mostra do Santander demonstra o seu interesse pela pulsação urbana.

Patrick Tosani é um dos nomes mais fortes da fotografia na França e um dos pioneiros no uso da fotografia como expressão em arte contemporânea. Trabalha com a percepção das formas e do espaço, a fim de problematizar certas questões. Mostra objetos do cotidiano inseridos em um espaço geométrico com perspectivas particulares. Na mostra Reflexio apresenta o seu trabalho em forma de retrato, associando especificamente o corpo ausente e o presente, bem como as suas diversas formas de representação na fotografia. Destaque para 3 retratos de unhas com detalhamento exacerbado e forte expressão ao mostrar cutículas enormes e pele excessiva.

Suzanne Lafont vive e trabalha em Paris onde capta personagens do meio urbano, questionando o comportamento e a solidão dos seres no espaço social. Na exposição apresenta a série A Queda que retrata no cotidiano, instantes de expressividade e movimento. Com dispositivos como repetição, multiplicação e justaposição de imagens, a artista cria, para a fotografia, uma categoria pouco afeita à própria mídia: o movimento.

Eric Rondepierre é diplomado em Belas Artes e doutor em Estética. Teve passagem no teatro onde atuou inclusive como comediante profissional e atualmente explora na fotografia o que ele chama de “ângulos mortos do cinema”. O artista recorta, comprime e condensa o que antes era visto de forma contínua e linear. Com a justaposição de diversos fotogramas, o artista superpõe significados, culturas, tempos e espaços em um só plano. Na mostra está o trabalho que ele chamou de ‘Lupa Dormentes’, onde se destaca uma série que funde filme, contexto e livro, com diversas camadas de percepção.

Jean-Luc Moulène começou a frequentar o meio da publicidade em 90 e passou a se dedicar ao trabalho fotográfico ao mesmo tempo em que lecionava em escolas de arte. Licenciado em Letras e com mestrado em Pedagogia e Artes Plásticas, define seu trabalho como Quadros Fotográficos. Na exposição apresenta a obra O Túnel. O artista fotografou em 1996, inscrições em um túnel no Boulevard de Bercy, em Paris. De 1998 a 2001 voltou ao local para fazer novos registros. O resultado disso é um jornal de 36 páginas que, além de estar exposto numa das galerias do Santander, pode ser levado para casa pelo público, no qual Moulène captura uma presença anônima e a necessidade das pessoas se expressarem em lugares públicos.

A mostra “Reflexio - Imagem Contemporânea na França” faz parte do Ano da França no Brasil e sua curadoria é de Ligia Canongia, crítica de arte e curadora independente brasileira, residente por nove anos em Paris. O Ano da França no Brasil surgiu da parceria dos ministérios brasileiros da Cultura e das Relações Exteriores com a França e ocorrerá de 21 de abril a 15 de novembro de 2009 pelo país, com ações artísticas, econômicas e científicas.

Mais informações

Para mais informações clique em => Ano da França no Brasil

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA