banner multi
Capa Memória Cultura 51 anos do trovador solitário
51 anos do trovador solitário Imprimir
Escrito por Rafaela Haygertt   
Segunda, 28 de Março de 2011 - 16:18

"Os bons morrem jovens. Assim parece ser quando me lembro de você"

Visceral, doce, musical, mas acima de tudo extremamente solitário. Assim era Renato Manfredini Junior. Nascido em 27 de março de 1960, no Rio de Janeiro, tornou-se Renato Russo para homenagear o iluminista suíço, Jean Jacques Rousseau, o filosofo inglês Bertrand Russel e o pintor francês Henri Rousseau.

"Tive um pesadelo, posso dormir aqui com vocês?"

Renato mudou-se aos 7 anos para os Estados Unidos e ficou por lá durante 3 anos. Aos 13 foi morar em Brasília, onde encontraria os amigos, com quem formaria uma banda.

Um dos momentos mais difíceis da vida do roqueiro foi aos 15 anos, quando descobriu que tinha uma doença rara nos ossos chamada epifisiólise, que consiste na separação da epífise proximal do fêmur. Devido à doença, o cantor passou por longa cirurgia e ficou durante seis meses sem poder se locomover.

"Quero colo, vou fugir de casa"

Em 1978, aos 18 anos, Renato Russo montou sua primeira banda, influenciado pelo Punk Rock. O Aborto Elétrico tinha letras que falavam das angustias sociais em que viviam os jovens nascidos durante o regime militar.

Os trabalhos com o Aborto Elétrico não duraram muito. Em 82, Renato abandona a banda para realizar trabalhos solos e ficar conhecido como o "Trovador Solitário". Logo depois, Renato, junto com Marcelo Bonfá, Eduardo Paraná e Paulo Paulista, iniciou a primeira formação da Legião Urbana.

Assim como o Aborto Elétrico, Legião Urbana fazia músicas de protestos, mas também falava de amor e do cotidiano dos adolescentes da década de 80. Com a banda, Renato se tornou um super astro e chegou a ser considerado um profeta, já que a cada disco ou letra, trazia as boas novas. Entretanto esta comparação nunca o agradou.

Renato assumiu sua bissexualidade no final da década de 80. Em 1989, Renato ganhou um filho, Giuliano Manfredini.

"Ninguém sabe o que aconteceu (...),
Nada é fácil de entender"

Desde o inicio da década 90, Renato andava recluso. O Trovador solitário nunca assumiu publicamente ser soropositivo. O músico morreu por complicações causadas pela AIDS no dia 11 de outubro de 1996.

O legionário tornou-se o porta-voz de uma geração, e por que não dizer, dos jovens brasileiros sejam eles de que tempo forem. Ele realizou um sonho de infância, não como o

cantor Eric Russo, de sua banda imaginária, a 47th Street Band, mas como Renato Russo, o poeta do Brasil.

Discografia de Renato Russo

Discos solo
The Stonewall Celebration Concert (1994) - (250 mil cópias vendidas)
Equilíbrio Distante (1995) - (1 milhão de cópias vendidas)
O Último Solo (1997) (póstumo) (500 mil cópias vendidas)
Série Bis: Renato Russo - Duplo (2000) (coletânea)
Série Para Sempre: Renato Russo (2001) (coletânea)
Série Identidade: Renato Russo (2002) (coletânea)
Presente (2003) (póstumo)
O Talento de Renato Russo (2004) (coletânea)
O Trovador Solitário (2008) (póstumo)
Renato Russo: Duetos (2010)

Com a Legião Urbana
Legião Urbana (1984)
Dois (1986)
Que País É Este 1978/1987 (1987)
As Quatro Estações (1989)
V (1991)
O Descobrimento do Brasil (1993)
A Tempestade ou O Livro dos Dias (1996)

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA