banner multi
Capa Memória Cultura Moda O sportswear conquista seu quinhão na passarela
O sportswear conquista seu quinhão na passarela Imprimir
Escrito por Manu Pereira. Fotos: Emmanuel Denauí   
Segunda, 12 de Abril de 2010 - 10:17

_mg_0017_Modelagens e cortes surpreenderam e acentuaram a elegância no primeiro momento do desfile. As produções trabalharam em cima da linha Sport Fashion, garantindo delicadeza, altivez e mobilidade para as mulheres de Brasil Sul.

Para homenagear os 27 anos da grife, uma releitura do tradicional top com tiras cruzadas atrás, 'coca-cola' da década de 90, e peças printadas com o ano 1983, época que a BS surgiu, afirmando a proposta de valorização da marca.

Agasalhos de moletom não poderiam faltar, já que estamos falando de move yourself, e após todos estes anos de sp ortswear a BS impera no quesito malhar bem e bonita. Por isso, nada mais apropriado, no friozinho gaúcho, que o training. Na passarela deste sábado, eles vieram tradicionais e na versão 'mangas três-quartos bufante'. Os coletinhos de lycra ou tecido impermeável, mais uma proposta funcional, ainda ocupam o posto de queridinha da marca.

T-shirts manga comprida e curta rasgada nas costa deram o tom despojado. Elas ritmaram o desfile com a modelagem "largadona", total flashdance. E para completar a performance fitness, a presença esperada das leggings com brilhos e em tons neon, que eram febre nos anos 80 e voltaram com tudo em 2007.

Macacões amplos, inteiriços e confortáveis e tops tomara que caia deixaram a passarela sensual, combinados a mocassins classudos e casaquinhos com zípers deslocados. Uma ótima sacada da marca!

Não colou a saia longa, peça inusitada que não impressionou muito a plateia, provavelmente pela falta de mobilidade que veio de encontro com a temática e não gerou a elegância esperada. E o corsário de cós alto, uma tentativa de modernizar a peça que não convenceu.

Na cartela tons como o verde e o marrom escuro deram um tom sóbrio em meio a cores flúor, floreados, amarelos e azuis, não esquecendo dos tons black and white, presentes em quase todas as peças.

galeria

 

C&A in Wonderland

Logo na primeira aparição, a modelo usava blazer e bermuda de alfaiataria, camisa branca, cinto com top, sapatos estilo oxford e jeito de menina comportada. Divino! Na mão carregava um cetro com o símbolo da Rainha de Copas. Finalmente, me senti em Wonderland!

Os meninos em seus costumes e bow ties pareciam lords. Com um tom sóbrio e enigmático, alguns usaram cartolas, outros trouxeram elementos relacionados ao clássico de Charles Lutwidge Dodgson, como o relógio e os naipes do baralho. Um toque lúdico nesse momento do desfile, o que se viu foi um show de looks construídos com muito xadrez e cinza. Um equilíbrio perfeito entre o tétrico e os soldadinhos apáticos em seus uniformes.

De repente, a colour pallett mudou e, como na queda de Alice, fomos transportados para um outro mundo. Um local violento, urbano, streetwear. Um impacto forte que foi contido pelos suspiros da plateia.

Produções exibiam calça jeans boyfriend, jeans estilo skynny, leggings com aplicações em tachas, brilhos e metais, trazendo à passarela uma mulher decidida e fatal. Black nas luvas, coletes e jaquetas de couro. A soberba do preto no batom e na bolsa de lurex. Anckle boots e coturnos em seus passos duros, ritmados, mas sensuais e descomprometidos.

Um homem de atitude na passarela da C&A. Casacos em tecidos fortes em microfibra e mantas, que no início do desfile surgiram tímidas, agora são jogadas uma sobre a outra, desarrumando as produções. Calças e bermudas jeans com lavagens escuras e surradas, usadas com camisas xadrezes e lenços cafagestes. O jeans tradicional e as modelagens dirty e acid wash também constaram no desfile.

Para satisfazer os convidados e despertar a luxúria alheia, dançarinas de cabaret no melhor estilo wildcard, com batons borrados nos lábios, estilo beijada e cuspida. Cartas na cabeça, cinta liga, minissaias, ombreiras e muitos corselet. Tudo isso com muito lurex e safadeza. Esta é a coleção assinada pela cantora Nicole Scherzinger, do grupo Pussycat Dolls, para a C&A.

E depois de tudo isso saímos, com a maquiagem borrada, em algum cabaret por aí...

galeria

 

O inverno urbano da Canal

Ellen Jabour entrou em cena usando botas over knees, luvas de couro preto e um vestido animal print! E a partir daí tops, vestidos e casacos seguiam a linha com estampas étnicas e de animais em tecidos leves como a seda e o algodão.

Maxipulls largas e confortáveis com golas fartas usadas como mini-vestidos, algumas vezes ajustada na cintura aqueceram a passarela e trouxeram glamour às produções. Trench coasts, mantôs e agasalhos em tons rústicos, pasteis e listrados com maxi-golas, completaram o time da estação mais fria do ano.

Blazers com botões de massa, estilo Jacqueline Kennedy combinados com vestidinhos comportados de corte reto e, em algumas vezes, com drapeados nas costas alinharam a passarela.

Como já esperado, o short jeans com a barrinha virada ainda voga. Ele já está nas ruas há tempo, e no winter style da Canal é usado com meia calça ou legging para aquecer os cambitos.

Adoramos os sapatos "estilo Alladin", rendas nas saias e blusas e o agasalho da vovó jogado sobre as produções de maneira bem despretensiosa.

Vestidos de corte reto, balonê, e versões com babados, fizeram o papel da mocinha na combinação com a jaqueta de couro biker style. O contraste da gramatura dos tecidos deixou claro que este inverno não tem regras na escolha do look. E quem irá discordar?

galeria

 

Para sapo nenhum botar defeito

A entrada triunfal da bailarina Marcelle Schwonke já antecipava o espetáculo que seria o desfile da Lua. As princesas modernas, românticas e roqueiras, (será?), entraram em cena ao som de Lady Gaga.

Revisitando a extravagante realeza do século 18, justaucorps, broches, coletes, blazers e camisas, enfim uma porção de elementos relembrou a Belle époque. E para reforçar essa ideia, as modelos desfilaram usando coroas.

Agasalhos como a pala, casaqueto, trench coast, bolero e o cardigãn passearam entre tonalidades fortes, marrons e terrosas à cream colors, proporcionando elegância e uma irresistível vontade de vestir bem no inverno.

A meia calça e a meia sete-oitavos apareceram em quase todas as produções. Neste momento Lua, ela é uma peça curinga que faz qualquer produção bonita, dá leveza e deixa com cara de boa moça. A calça legging, também foi usada sob vestidos. Ela apareceu em tons coloridos para esquentar e iluminar as produções mais sóbrias.

Manguinhas bufantes, luvinhas de renda, tons neutros de rosé e amarelo das porcelanas antigas com acentos rosados e púrpuras resgataram o melhor do princess style.

Em um momento farm e charmoso do desfile, as modelos desfilaram usando botas country, meia calça e camisão xadrez, muitas vezes com cintos em tons de marrom e caramelo.

Também marcou presença na passarela a saia cós alto, algumas vezes em estilo bandagem, jaquetinha jeans marcada no ombro, babados, sainha balonê e vestidos estilo tubinho ou soltos esvoaçantes em tons de azul marinho, pastel, com ou sem cinto.

Digno de realeza!

galeria

 

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA