banner multi
Capa Memória Coberturas Especiais Marcelo Rech palestra para estagiários do Jornalismo na Operação Laçador
Marcelo Rech palestra para estagiários do Jornalismo na Operação Laçador Imprimir
Escrito por Luiz Antunes   
Terça, 24 de Setembro de 2013 - 18:06

Marcelo Recha na palestra do ECAMO jornalista Marcelo Rech, diretor-executivo de Jornalismo do Grupo RBS, profissional que agrega ao seu currículo coberturas de guerra e uma proximidade com o Comando Militar do Sul, relatou suas experiências na área e destacou a importância do curso promovido pelo Estágio de Correspondente de Assuntos Militares (ECAM). Rech também fez referências à falta de profissionais qualificados para coberturas jornalísticas na área militar, ainda pouco explorada pelos próprios profissionais. O encontrou aconteceu no contexto da Operação Laçador, que simula situações de guerra.

A atuação de grandes profissionais como William Russell, considerado o primeiro correspondente de guerra da história da profissão, ganhou ênfase do palestrante quando o tema foi a trajetória do jornalismo de conflito. E desafiou os jornalistas afazerem coberturas na área de guerra. "Não está fazendo nada? Vá para a Síria! Ninguém está cobrindo de perto o local. Com 1500 dólares você vai até lá, com um simples Iphone você registra e tendo o um pouco de coragem, você vai gerar informação".

Segundo Rech, os blogs, Twitter, Facebook e outras redes estão concorrendo com os s grandes jornais. Segundo o palestrante, o YouTube, com vídeos independentes dos conflitos na Síria e no Egito, impressionam mais o mundo do que simples matérias com muita informação e pouca imagem. E disparou: "Deixou para trás até a cobertura da Síria feita pelo The New York Times".

Ao comentar sobre a atual situação da Síria, o palestrante instaurou um debate na platéia. Através da sua experiência nas coberturas internacionais, Rech acredita que os Estados Unidos não deveriam intervir e sim a ONU. "Os Estados Unidos não tem nada haver. Mas não agir é um pensamento covarde, afinal crianças estão sendo mortas. Se a ONU não intervier haverá consequências maiores".

Na seqüência, o jornalista explicou algumas diferenças que percebeu entre o Exército Brasileiro e as forças americanas. "Os americanos investem muito em publicidade para o seu exército. Isso os torna fortes. E o nível de seriedade deles é invejável. O Brasil é um país mais alegre, mas que não investe nas forças, com pouca publicidade".

Encerrou a apresentação exaltando o Exército Brasileiro no país, através das suas próprias vivências. "Sou filho de militar, ex-aluno de Colégio Militar e queria ter seguido carreira na Marinha. Viajei com eles para Antártida, nos anos 80, e gostei muito do ambiente, mas fiquei no jornalismo"!

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA