banner multi
Capa Memória Coberturas Especiais Diploma de Jornalismo O debate do "chove e não molha"
O debate do "chove e não molha" Imprimir
Escrito por Matheus Pannebecker e Anselmo Cunha   
Segunda, 21 de Março de 2011 - 18:15

debate-pucPara os jornalistas, a não obrigatoriedade do diploma sempre estará em pauta, enquanto a questão não for revertida. Com a ideia de unir a classe e chamar todos os profissionais da área para mais uma reflexão, o debate "Para que serve o teu diploma?" aconteceu na última sexta-feira (11/03) no auditório da Famecos, na Pucrs. Porém, devido à má organização e divulgação, o evento acabou por não render o esperado.

Promovido pelo Núcleo de Estudantes do Sindicato dos Profissionais do Jornalismo do RS (NES), o debate contou com a presença do presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul, José Nunes, da diretora da FENAJ, Valci Zuculoto, do coordenador da ABRAÇO, Alan Camargo e do representante do NES, Guilherme de Oliveira. Quem faltou foram os estudantes, pois apenas cerca de 20 pessoas estiveram no local para participar do debate.

O evento não foi devidamente organizado, pois os convidados tiveram 15 minutos para uma defesa individual de ideias, o que reduziu o tempo disponível para o debate, que deveria terminar às 12 horas e teve início às 10h15. Cada um dos convidados pôde defender o seu ponto de vista, mas não sobrou tempo para a platéia se manifestar. As poucas perguntas que foram feitas tiveram de ser respondidas de forma apressada dando pouco esclarecimento a quem perguntava. O que era para ser um debate pela importância do reconhecimento do diploma tornou-se um monólogo.

O que fez o evento valer a pena foram as presenças ilustres, entre elas, José Nunes, que enfatizou a necessidade de uma maior união entre os jornalistas: "Como presidente do Sindicato dos Profissionais de Jornalismo do RS, tenho que defender o diploma. Mas sinto que falta sentimento e consciência de categoria nos profissionais de Jornalismo". Ainda comentou sobre a formação oferecida pelas faculdades: "A precarização do mercado é latente e, ao invés de estarmos aqui falando sobre a volta do diploma, seria melhor estarmos aqui discutindo maneiras de melhorar a formação dos estudantes".

A diretora da FENAJ, Valci Zuculoto, abordou um viés diferente do apresentado por Nunes. Ela questionou os efeitos da queda do diploma: "São quase dois anos desde que não é mais necessário o diploma para ser jornalista. Afinal, o que mudou? Tivemos mais liberdade de expressão? Não, tudo ficou mais difícil". Zuculoto enfatizou o direito constitucional e humano pela pluralidade de informação e salientou que a luta maior é pela democratização da comunicação.

O estudante de jornalismo, Ivan Angues, definiu o evento como um "chove e não molha", devido ao fato do assunto "já ser batido". Ivan também se manifestou contrário à obrigatoriedade do diploma, e afirma que deve haver mais debates sobre o tema: "Sou contra, mas não acho que a minha ideia deva ser preservada, mas que haja essa discussão para que não fique naquela inércia de 'vamos ser a favor do diploma, não vamos ser a favor do diploma".

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA