banner multi
Capa Memória Coberturas Especiais Expointer Cachaça gaúcha ganha o mundo
Cachaça gaúcha ganha o mundo Imprimir
Escrito por Márcio Chaves e Felipe Vidaletti   
Quarta, 02 de Setembro de 2015 - 00:37

WP 20150901 3181

A 38ª edição da Expointer, no Parque Estadual de Exposições Assis Brasil, conta com o pavilhão de Agricultura Familiar, que neste ano, reúne um maior número de expositores e cresce a cada evento. Os alambiques acompanham esse segmento, e entre eles se destaca a Weber Haus, que é uma produtora de bebidas destiladas, mundialmente conhecida por suas cachaças orgânicas que recebem premiações ano após ano.

Com a chegada de imigrantes alemães, a cachaça começou a ser produzida para o consumo próprio da família, por volta de 1848, na cidade de Ivoti, na encosta da Serra Gaúcha, no Rio Grande do Sul. A cachaçaria começou com um alambique construído em 1948, que era formado apenas por um galpão com um engenho movimentado por mulas. Com o tempo foi se modernizando e o negócio foi passando de pais para filhos.

Há mais de oito anos participando da Expointer, a Weber Haus conta com diversas premiações. Uma delas na categoria instituição, denominada ‘Pequeno Desbravador Internacional’, por ter obtido os melhores resultados mercadológicos do sul do país, e outra, como alambique, com as cachaças produzidas pela agroindústria. Sobre a premiada Cachaça Envelhecida Amburana, o expositor relata que ganhou, no ano passado, o prêmio de melhor cachaça do Brasil. “Ela é mais suave e o público está gostando muito dela”. Com relação à Cachaça Envelhecida Sassafrás, vencedora da Medalha Grande Ouro no Concurso Mundial de Bruxelas: Edição Brasil, o expositor ressalta: “A Sassafrás foi direcionada para o público feminino por ser bem mais leve. É para um paladar mais suave”. As duas bebidas necessitam de um preparo especial. A Cachaça Envelhecida Amburana é mantida em tonéis por um ano, junto com a amburana, um gênero de árvore brasileira, trazendo assim aroma e sabor à bebida destilada. O mesmo ocorre com a Cachaça Envelhecida em Canela Sassafrás, mantida também por um ano, junto da canela de sassafrás.

Mas uma criação do alambique que atrai muitos colecionadores da bebida é a Cachaça Extra Premium 12 anos, que fica exatamente 12 anos envelhecendo para consumo. São seis anos nos barris de carvalho francês e seis anos em barris de bálsamo. Conforme a empresa, as garrafas são produzidas artesanalmente e todas as peças que compõem a embalagem são banhadas a ouro 18 quilates. Foram produzidas duas mil garrafas com a bebida, todas numeradas de 0000 até 2000. Os especialistas experimentaram mostras de 18 pipas de bebida e selecionaram três barris, os quais ganharam um exemplar com o número 0000. A versão de número 2000 ficou com a empresa. De acordo com a cachaçaria, a unidade 1999 foi vendida por R$ 701, e esse preço aumenta em R$ 1 a cada garrafa numerada em ordem decrescente, atingindo assim como resultado na de número 0002 o preço de R$ 2.699,00. A garrafa 0001 ainda entrará em leilão. Atualmente, cerca de 1.500 garrafas já foram comercializadas. A Cachaça Weber Haus 12 Anos Extra Premium - Lote 48, uma edição especial, foi leiloada em janeiro, em Miami, Flórida, por US$ 5 mil, o que ficava em torno de R$ 14 mil.

A cachaçaria ainda possui bebidas premiadas no San Francisco World Spirits Competition, que é a competição de bebidas destiladas mais respeitada do mundo, e acontece anualmente nos EUA, em San Francisco, na Califórnia. Hoje é a agroindústria mais premiada do Brasil com duas certificações importantes como a orgânica e de rastreabilidade (Inmetro) de sua produção.

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA