banner multi
Capa Memória Coberturas Especiais Feira do Livro A tragédia vivida por crianças que sofrem incesto
A tragédia vivida por crianças que sofrem incesto Imprimir
Escrito por Matheus Pannebecker   
Sexta, 05 de Novembro de 2010 - 12:53

afetosecretos-okEm entrevista, a escritora, cineasta e psicanalista Graça Pizá, aponta sinais e consequências veladas do incesto, publicadas nos livros, e-books e filme "Afetosecretos".

"Tu olharias longamente sem compreender nada e selarias com ele teus afetosecretos. (...) Amarás aquele que te seduz, que te engana. Tu deverás suportar tudo e aguentar e silenciar. Serás para ele o mistério, secreto desejo, perigoso prazer, para sempre escondido, sempre proibido, e nunca revelado a ninguém".

O que são os afetosecretos? Essa é uma definição criada pela escritora, cineasta, psicanalista e artista plástica Graça Pizá para nomear os afetos que possuem caráter negativo e destrutivo. Mais especificamente, o livro "Afetosecretos, o Vocabulário" versa sobre a tragédia vivida por crianças que sofreram o ato violento e criminoso do incesto.

Já diz o Estatuto da Criança e do Adolescente que é dever de todos zelar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, aterrorizante, violento ou constrangedor. Esse dever, a princípio, é atribuído aos familiares. Mas e quando a família não cumpre o seu papel? O que acontece quando a sociedade se recusa a abrir os olhos para esse assunto tão urgente que é o incesto?

A obra da autora Graça Pizá quer fazer exatamente o que a sociedade nega fazer: manter todos atentos e atuantes com relação à questão da violência sexual contra crianças e adolescentes. Toda a estrutura narrativa do livro (e também do filme, que foi o primeiro estágio dos "afetosecretos") é arquitetada em torno dos relatos reais de crianças vítimas desse tipo de crime.

O incesto é universal. Não escolhe sexo, cor, raça ou lugar. É próprio da crueldade e da perversão humana. É uma violência invisível que pode até não deixar marcas físicas, mas que, certamente, deixa muitas na alma. Essa violência sexual traz danos emocionais e psicológicos exatamente por ser cometida por quem deveria trazer referência de proteção e cuidado: a família.

Convicta guerreira contra essa violência, Pizá criou "Afetosecretos" com o intuito de denunciar e abrir os olhos de todos para o incesto. O filme e o livro nasceram de um amplo trabalho de pesquisa clínica sobre os sonhos relatados pelas crianças em relação a essas violências sexuais e todos os significados (signos) enterrados em uma infância privada de amor e de proteção. Uma infância inexistente.

Os relatos/sonhos das crianças revelam, mesmo que de forma metafórica, o desejo desesperador de se livrar do sofrimento, da dor e de toda tristeza que a experiência dessa angústia sexual produziu. É uma forma diferente de sentir e analisar essa tragédia que provem da crueldade humana.

Em Afetosecretos, a psicanálise e o cinema dialogam com o trágico, abordando desdobramentos morais, caminhos psíquicos e uma contextualização do afeto e suas implicâncias com o inconsciente e com o físico da criança no incesto. Abaixo, você confere uma entrevista com a autora da obra, Graça Pizá:

Universo IPA - "Afetosecretos, o vocabulário". O que são os afetosecretos?
Graça Pizá - A palavra é uma conceitualização do universo afetivo próprio da violência sexual. Esse conceito foi criado por mim para nomear o afeto e suas oscilações negativas, destrutivas, obscuras e misteriosas. Os afetosecretos são aqueles que se manifestam na forma de destruição e de morte, simbolizando a pulsão de morte na sua excelência. Esse universo afetivo, que é próprio daquele que pratica o ato violento: "São afetos negativos que se manifestam na forma de destruição e morte; são os segredos secretos que escondem a mancha da vergonha e do silêncio imposto pelo abusador".

Universo IPA - Como surgiu a ideia de escrever o livro?
Graça Pizá - É uma ideia antiga, que começou com a escrita do "Vocabulário dos Afetos Emparedados", em 2003, e publicado em 2004, no livro "A Violência Silenciosa do Incesto". Desde então, muitas imagens e neologismos dessas crianças que foram violentadas sexualmente ficaram na minha memória, e, ao longo dessas escutas clínicas, o que sentimos é uma angústia muito grande. Então, para dar conta dessa angústia eu escrevi o roteiro dos afetosecretos, que também é uma 'ampliação' do tema do meu filme anterior, "A escuta do silêncio: o incesto através do olhar da criança em análise".

Universo IPA - Quais foram os maiores desafios e dificuldades que você encontrou para escrever essa obra?
Graça Pizá - A maior dificuldade surgiu quando precisei decidir que afetosecretos era uma trilogia composta de um filme e dois livros! Esses livros foram escritos juntos e isso foi muito complicado. No início, eu denominava o livro e o livreto, para trabalhar neles. Depois, decidi dar um nome e uma finalidade diferente para cada um. Então, nasceu o "Afetosecretos: os sonhos revisitados", que é um e-book e que originou, junto com o filme, o 'kit didático educativo', apoiado pela Childhood e distribuído para as redes de atendimento e para professores (educadores durante as capacitações). Paralelamente, o vocabulário crescia e precisei estabelecer um limite de 110 conceitos para a publicação. Mas esse vocabulário hoje já tem mais de 150 conceitos!

Universo IPA - Como está sendo a repercussão de "Afetosecretos, o vocabulário" com o público?
Graça Pizá - Ainda é muito cedo para avaliarmos o impacto dessa publicação, mas espero que muito em breve possamos ampliar essas reflexões, que poderão se tornar, futuramente, as bases para uma teoria do incesto, que não existe na psicanálise.

Universo IPA - Qual comparação pode ser feita entre o livro e o filme?
Graça Pizá - O livro nasce das narrativas em off do filme. A linguagem do cinema, com suas imagens e metáforas dos sonhos, está diretamente relacionada com a palavra, o afeto e o pensamento. Então, decidi criar uma forma diferente para aproximar cinema e literatura e, assim, dar mais visibilidade a violência mais invisível de todas: o incesto.

Universo IPA - O filme tem uma linguagem muito subjetiva e metafórica. A senhora se inspirou - conscientemente ou inconscientemente - em algum cineasta ou filme para realizar a versão cinematográfica de "Afetosecretos"?
Graça Pizá - Desde muito cedo me interesso pela fotografia e pelo cinema, que é a imagem em movimento. Eu sou de uma geração que curtiu intensamente os filmes de Federico Fellini, Pasolini, Buñuel, Bergman! E esses formam os meus mestres, que me ensinaram a descobrir e a educar meu olhar. Na literatura, foram Goethe (com sua "Doutrina das Cores"), Samuel Bechet e Borges.

Universo IPA - A senhora já ganhou o prêmio Jabuti de literatura pelo livro "A Violência Silenciosa do Incesto". O que "Afetosecretos" tem de diferente desse livro e o que ele significa para a sua carreira?
Graça Pizá - Essa obra significa a realização de um sonho muito antigo, o sonho de fazer um filme sobre os sonhos, o processo do sonhar e a sua importância para aquilo que chamamos em psicanálise de sonhos de resolução. E foram esses sonhos traumáticos do filme que se tornaram sonhos de resolução. Nesse sentido, "Afetosecretos, o vocabulário" é bem diferente do filme e do livro anterior porque eu pude me soltar mais e criar com os personagens Menina-mulher e Psique uma forma muito particular de se pensar o afeto e suas formações no inconsciente.

Universo IPA - Qual a importância de se discutir o incesto nos dias de hoje?
Graça Pizá - O incesto sempre está relacionado ao trágico, à destruição e à morte. Essa violência, que é a pulsão de morte em ato, é reduplicada na sociedade criando esse excesso de perversidade social que estamos vivendo com mais intensidade nesse inicio de século.

Universo IPA - Por que as pessoas devem ler e assistir "Afetosecretos"?
Graça Pizá - Eu não diria "dever", mas sim desejar. As pessoas podem desejar saber o que uma criança sente quando está vivendo o mais trágico momento de sua vida. Em geral, desconhecem o que essas crianças sonham e falam sobre isso. Hoje, elas estão mais sensíveis a essa violência e com o tempo, espero, a sociedade, com suas leis, poderá criar mecanismos de proteção mais eficazes para prevenir a violência sexual na infância.

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA