banner multi
Capa Memória Geral Cases, conselhos e o futuro da Publicidade na palestra de Carlos Abbud
Cases, conselhos e o futuro da Publicidade na palestra de Carlos Abbud Imprimir
Escrito por Gabriel Guidotti   
Terça, 28 de Maio de 2013 - 10:28
carlos abbud
O publicitário Carlos Abbud, diretor da Agência Up and Go, esteve no IPA , na segunda-feira (27 de maio), para uma conversa com alunos de Comunicação Social. Responsável por campanhas de grandes empresas do mercado, como a Bombril, Big e Coca-Cola, o profissional aceitou o convite do curso de Publicidade e Propaganda e veio falar sobre sua trajetória aos estudantes. O encontro aconteceu no auditório da Biblioteca.
 
Carlos Abbud, 67 anos, nasceu em São Paulo, cursou a Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas de SP, fez especializações em Marketing em Nova York, Milão, Barcelona e Londres. Além dessas cidades, trabalhou em Tóquio e Frankfourt. Foi Vice Presidente Executivo da McCann-Erickson, a maior agência de Publicidade do mundo, onde trabalhou durante 15 anos, em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre, cidade que adotou e reside há quinze anos. Hoje, Carlos Abbud é fundador e presidente da Up and Go Marketing e Comunicação Ltda., empresa fundada em 2004.
 
Recado para os criativos
 
Antes de relatar as suas vivências à plateia, Abbud deu uma dica:  “Há a necessidade de ousar”, e creditou algumas das suas perdas de emprego no decorrer da sua carreira  à ousadia. Ele enfatizou a necessidade de uma busca constante pela qualificação e justificou: “Isso é muito importante, pois nos ajuda a ter a coragem necessária”, diz. Ao finalizar sua explanação inicial, Abbud referiu-se ao marketing como um reflexo do bom senso. “Publicitário precisa buscar a solução, como se o negócio do cliente fosse seu próprio negócio”, conclui.
 
Cases famosos
 
Em uma linha do tempo de suas produções, o profissional  lembrou alguns cases produzidos ao longo de sua carreira e destacou a campanha para a BomBril. Segundo ele, em uma pesquisa de mercado, foi descoberto que uma mulher não confia na opinião de outra mulher. O palestrante chegou à conclusão de que um homem deveria vender o produto. “A consumidora tinha que ter vontade de acalentar o rapaz”. Assim, o ator Carlos Moreno foi selecionado e, segundo Abbud, deu muito certo. “Trata-se do garoto propaganda mais longevo da história da Publicidade”.
 
Entre os cases de sucesso, o publicitário relatou um dos seus grandes desafios no Rio Grande do Sul. Sabendo da hegemonia da Pepsi no Estado, que representava, em 1997, 21% do mercado, enquanto a Coca compunha apenas 14%, em menos de um ano, graças à campanha publicitária que empreendeu, a Coca-Cola conseguiu ultrapassar a Pepsi em um ponto percentual. Hoje ela compõe 36% do mercado e se mantém há vários anos no topo. No ano seguinte, outro desafio: atrair a General Motors ao Rio Grande do Sul.  Em sua estratégia, Informou aos americanos que o nosso Estado era a “Califórnia do Brasil” e assentou a campanha nos dois times de futebol mais apreciados. E os resultados não tardaram:  em 1998, a dupla Gre-Nal passou a ser patrocinada pela empresa.
 
Na televisão, o palestrante idealizou inúmeras campanhas, mas lembrou de uma realizada para o supermercado Big. Abbud e seus colegas de criação concluíram que tudo no Big deveria ser grande. De prontidão, pensaram em Jô Soares para ser o garoto-propaganda da campanha. “Ele pediu 900 mil reais de cachê, entretanto, gravou nove comerciais de televisão em um dia”. O case teve uma repercussão muito positiva. Na propaganda, Jô dizia a frase: “O Big é como eu, é Big”.
 
O Livro
 
Com toda a experiência adquirida em sua carreira, Carlos Abbud lançou um livro chamado “O publicitário”. Trata-se de um romance que conta a história de sua vida. No dia do lançamento, no Bourbon Country, em Porto Alegre, a fila percorria o shopping. “Fiquei das 18h até as 10h30 autografando”.  Mesmo com as tiragens  esgotadas,  o autor fez a doação de uma edição ao IPA.
 
Questionamentos
 
Ao final da palestra, um espaço foi aberto para os estudantes interagirem com o convidado sobre dúvidas e curiosidades.
 
Como você avalia a publicidade online?
 
Carlos Abbud – O online é muito específico. É tudo muito novo, é preciso explorar. Usando de bom senso e lógica, quem não pesquisa na internet? O online é o futuro. É preciso interagir muito, pois no meio digital é possível encontrar saídas fantásticas para estratégias publicitárias.
 
Como funciona o gerenciamento de marcas?
 
Abbud – Depende do problema de marketing. Você precisa ter a perspicácia para poder trabalhar a precisão da marca. Eu, por exemplo, tenho um caso de insucesso no Rio Grande do Sul, os postos Esso. Abre-se um posto Esso e ele fecha logo na sequência, só podendo abrir sobre outra bandeira. Isso, talvez, aconteça em função da cultura do estado. O Rio Grande do Sul é um “país atípico” que possuí um público crítico e conservador.
 
Como você vê o futuro dos veículos de comunicação?
 
Abbud – Não desejo desmotivar ninguém, mas se observarem o jornal Zero Hora, ele está cada vez mais fino. Um comercial no horário nobre da Globo custa um apartamento. Os clientes, portanto, estão saindo do offline e indo para o online, pois notaram que é muito mais barato. Na parte de Jornalismo, o estudante é um produto que precisa fazer seu marketing desde já. O mercado está muito competitivo e quem souber se projetar, vai se destacar.
 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA