Infância Imprimir
Escrito por Danielle Oliveira   
Sexta, 10 de Agosto de 2007 - 16:57

20070810_infancia

Tenho saudades daquele tempo que eu não sabia o que eram preocupações e responsabilidade, do enorme tempo livre que tinha e mesmo assim as horas voavam. Aquele tempo que eu ficava feliz quando ia comprar uma boneca, um brinquedo, gibis ou material escolar.

A infância nos remete ao período que não sabíamos ao certo o que era felicidade nem tristeza.

Era uma grande alegria o começo de ano letivo. Ida ao cinema com a família, viajar, pedir presente ao Papai Noel do shopping na época que ainda acreditávamos nele e éramos ingênuos.

Que saudade de pedir para a família a merenda da aula, de pedir para um bichinho de estimação, de pedir para assinarem os bilhetes de autorização para ida aos passeios da escola. Saudade da Turma da Mônica, dos álbuns, do sonho de ser uma das chiquititas, de ser como a mais popular da turma.

Hoje é uma pena que as crianças estejam perdendo a sua ingenuidade cada vez mais cedo. Essa é uma das coisas mais bonitas que se pode ver em uma criança, além do sorriso e da esperança que tem, da esperança que quando adultos vamos perdendo aos poucos.

Cada vez mais cedo, as crianças estão deixando de ter infância. Talvez seja por, hoje, elas estarem convivendo mais com as tristezas, frustrações e problemas da família.

Atualmente, as meninas estão deixando de brincar com as bonecas mais cedo pela vontade de serem adultas logo, terem um namorado ou virarem modelo aos 13, 14 anos e saírem de casa. Muitas ao invés de brincar de bonecas, têm de cuidar de seus próprios filhos. Há crianças que usam drogas, meninos com menos de 16 anos carregando armas, assaltando e matando.

A melhor época da vida é a infância e quando somos crianças nem temos idéia disso e só desejamos ter a vida de nossos pais, a vida de adulto.

Arrependo-me muito de não ter aproveitado tanto essa fase, de ter fingido que era adulta, de ter brincado menos. Se eu pudesse voltar no tempo, não teria desejado que o tempo passasse tão depressa para eu me tornar logo uma adulta.

Resta agora, esperar para que eu possa passar aos meus futuros filhos essa lição e reviver a infância que ficou para trás. Esperar que eles queiram brincar, para novamente eu poder brincar junto, que eles queiram ver filmes infantis, desenhos, para juntos fazermos isso. E que queiram ter uma boa infância, para as outras fases da vida valerem a pena, pois quem não tem infância, pode se tornar um adulto frustrado.

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA