banner multi
Capa Memória Literário Viver do tempo presente
Viver do tempo presente Imprimir
Escrito por Danielle Oliveira   
Sexta, 20 de Julho de 2007 - 17:19

20070720_viverdotempo

Fico pensando, às vezes, na vida e penso como ela é engraçada, talvez tão simples, se vista de fora por alguém. A vida é, realmente, como uma novela. Às vezes, perdemos muito tempo observando os outros viverem a sua vida. Eu até acho uma forma de distração, um hobby diferente talvez, o grande problema é que fazendo isso, esquecemos de viver a nossa própria vida.

Um dia em que eu estava no shopping, sentei em um banco e comecei a observar as pessoas. Observei cada família, cada casal, cada grupo de amigos. Vi que é tudo tão curioso e achei até mágico, pois morri de vontade de saber mais sobre aquelas pessoas que passavam, o que faziam, que bairro moravam, as suas idades, profissões e o que gostavam de fazer em seu tempo livre. Saber que ali perto de mim estavam inúmeras histórias que poderiam ser escritas, retratadas em livros, filmes e novelas que era estimulante. As histórias de algumas dessas pessoas comuns são as que muita gente passa tempo de suas vidas observando para se distraírem como na televisão, no cinema, em um jornal ou em um livro.

Como é estranho, pessoas andarem aí vivendo as suas vidas, outras apenas observando as dos outros e chegando a ficarem com pobres histórias de vida, histórias sem graça. Talvez essas saibam contar o que aconteceu com a vida daquele parente, vizinho, amigo ou o final de uma novela, de um filme ou de alguma história publicada nos jornais, mas das suas nem saberão o que falar, pois quase que deixam de viver.

Questiono-me nos momentos que paro para refletir sobre o que fazer da vida, o que vale e o que não vale a pena. Talvez eu saiba na intuição que não tem porquê sofrer com certas coisas, com certas perdas, que eu só estarei perdendo tempo. Acho que a única coisa que vale a pena é correr em busca de nossa verdadeira felicidade, à procura do amor verdadeiro, muitas vezes não sabemos o que precisamos fazer para encontrá-los. Sei de exemplos de pessoas que nada fizeram e têm um grande amor e a felicidade, não há regras, leis ou fórmulas, não estão em frascos que podem ser comprados a qualquer momento.

Antes, eu sonhava durante muito tempo com o dia de eu conseguir coisas que tanto queria, isso me dava forças para continuar seguindo em frente à vida após decepções e dificuldades. Depois de um tempo, aprendi que não vale a pena ficarmos sonhando com o futuro e deixando de aproveitar o presente, deixarmos de viver intensamente. Eu sonhava tanto para que chegasse o dia de ter todos meus desejos realizados, que quando eles eram alcançados, eu pensava no tempo que eu tinha deixado de viver os momentos para pensar no futuro. Dava-me conta que aquele sonho realizado não me traria tantas felicidades quanto os momentos alegres que havia desperdiçado por ter esquecido do tempo presente, do tempo mais importante que possuímos.

No futuro, podemos não ter as mesmas oportunidades de hoje, por isso não temos de desperdiçar nenhuma, hoje podemos julgá-las que nem são tão boas, mas um dia veremos que ela poderia ter sido importante e a deixamos de lado ou que ela foi essencial para a nossa vida. Vivamos o hoje, sem pensar tanto no dia de amanhã, temos de ser felizes no presente e não transferirmos para o futuro a felicidade, pois nunca se sabe o dia de amanhã!

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA