banner multi
Capa Memória Opinião A notícia por trás da notícia
A notícia por trás da notícia Imprimir
Escrito por Andréia Lopes   
Quinta, 22 de Setembro de 2011 - 16:16

transitoTodos os finais de semana, dezenas de pessoas perdem a vida em acidentes de trânsito. Quem acompanha noticiários e páginas policiais sabe da verdadeira carnificina que acontece nas estradas. Mas só as famílias conseguem medir a dor da tragédia, e acreditem: ela não tem medida. De repente uma pessoa jovem, saudável, com tantos planos há realizar vira estatística.

Sem tomar decisões acerca de sua partida, sem realizar o que tinha por meta, sem fazer pela ultima vez o que tanto gostava. Sem uma mão que segurasse a sua, sem uma palavra amiga, só sangue e asfalto frio. A batida, a queda, a morte... Você não precisa ler jornais, já sabia da notícia antes que ela fosse impressa. Atrás da pauta se esconde todo o sofrimento, e, palavras, apenas, não compensam. Saber da perda te joga num abismo, é silêncio, é choro... Em uma noite escura e fria.

A revolta maior está em saber que não seremos os últimos e que o sacrifício de uma vida, não cura a sociedade. Em uma próxima curva, uma nova mistura de bebida, sono e velocidade, vai vitimar outra família e a história se repete. Quem parte, parte em vão, pois não levou consigo os problemas das estradas. Outros partirão e nós continuaremos em silêncio com esta dor. Então, por que partir tão rápido?

Sem tempo para mais um mate, sem conhecer um neto, sem mais um desfile farroupilha? Depois de um feriado estendido, contabilizam-se mais de 20 mortes. Estradas matam mais que câncer, mais que infarto, mais que assaltante! E os condutores destas máquinas mortíferas somos nós, a frente dos volantes. A sociedade que assiste chocada aos números do trânsito é a mesma que pisa fundo no acelerador, vai para a balada, bebe além da conta e não chama o táxi. Liga o rádio e se desliga do mundo, com sono não encosta, com chuva forte insiste, com faróis queimados, vai adiante, acende o cigarro, atende o celular, toma seu chimarrão.

São carretas, motocicletas, carros simples e modelos esportes, que chocam-se em curvas, direções opostas, subidas, descidas, desfiladeiros, pontes, arroios, animais, postes, muros e casas.São famílias dilaceradas que independentes de posses encontram-se em meio ao pranto nos corredores do IML. Lá não há pressa, nem preferências... Senta e espera. A mais triste e angustiante das esperas. Pelo direito de enterrar com dignidade seu morto, voltar para casa e pensar como recomeçar.

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA