banner multi
Capa Memória Opinião O estranho caso do vestido cor-de-rosa
O estranho caso do vestido cor-de-rosa Imprimir
Escrito por Rafaela Haygertt   
Segunda, 09 de Novembro de 2009 - 12:35

geysi-unibam

Uma jovem é humilhada e ameaçada de estupro. Não, isso não aconteceu na idade média, nem em um país extremista. Aconteceu semana passada, no Brasil, e o que é pior, dentro de uma universidade.

Geyse, uma estudante de turismo de São Paulo, teve de ser escoltada por policiais para poder sair da universidade sem ser apedrejada. O que tornava Geyse motivo de tanta revolta? Um vestido que qualquer estudante de qualquer universidade poderia estar usando.

Cresci acreditando que não seria testemunha de cenas como essa. Talvez porque eu ainda acreditasse que alguns terrores fossem coisa do passado, e que todas as Madalenas já tivessem sido perdoadas pelo bom senso. Engano meu. Nós mulheres ainda somos aprisionadas por espartilhos e sutiãs, alguns bem invisíveis.

Continuamos recebendo 30% do que os homens recebem pela mesma função. Enquanto homens se divertem sem culpa, continuamos com medo de sermos julgadas pelos nossos desejos. Continuamos acreditando que temos que se não formos a melhor em tudo não valemos nada.

Geyse sofreu por ser uma mulher bonita e livre. Ela não pediu para ser humilhada, como muitos alegam. Ela só queria usar um vestido de festa. O que a faz tão diferente de nós?

Para mim, essa onda de intolerância, presente cada vez mais nos noticiários, é assustadora. Homossexuais são perseguidos apenas por serem diferentes, pessoas cada vez mais fechadas no seu próprio mundo dividido por bairros, neonazistas cada vez mais prestigiados pela comunidade.

O que nos faz acreditar que uma pessoa deve ser julgada pela roupa que usa? O que nos faz pensar que temos o direito de julgar alguém? Talvez seja o mesmo sentimento que nos torna tão intolerantes: a insegurança!

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA