banner multi
Capa Memória Opinião BBB encerra a edição 2009
BBB encerra a edição 2009 Imprimir
Escrito por Rafaela Haygertt   
Terça, 07 de Abril de 2009 - 00:00

bbb

Se existe uma coisa que as pessoas gostam é fofocar sobre a vida dos outros. Junte isso ao marketing, teorias da conspiração e uma enorme falta do que fazer. Pronto! Está ai a maior arma da mídia moderna.

Desde que estreou no inicio de 2001 o Big Brother tem sido comentado, e re-comentado. Basta alguém dizer que acha a tatuagem do Max pequena demais ou a festa da semana passada parada, que começa uma discussão acalorada. 

Adoramos ver os seus integrantes passarem os maiores sufocos, entrando num stresse emocional acima da média, brigando como crianças e chorando: por que dentro da casa não há um shopping lotado de Armani? Mas por quê?!

Por que adoramos quando ouvimos algum participante perguntar se a África é um país (sim isso é verídico e você não abusou do álcool nem consumiu outras substancias ilícitas caríssimo leitor), ou quando vemos um deles traindo a própria mãe para conseguir um milhão?

Ninguém admite, mas dar de cara com nossas falhas em outras pessoas é realmente muito divertido.

Vai dizer que você nunca torceu para algum participante? Ou quase teve uma congestão de tanto rir com alguma maldade ou estupidez dita por alguém? Que atire a primeira pedra quem nunca assistiu Big Brother! Quem nunca quis atirar a televisão longe toda vez que o Pedro Bial começava um discurso sobre as cascas das batatas e as bochechas rosadas do Alemão?

Não adiante negar! O BBB faz sucesso porque foi planejado para isso, desde o inicio, e sabe se reinventar cada vez que a audiência cai um pouco. Ele é popular porque reúne elementos dramáticos clássicos e aprovados desde que as histórias são histórias e é claro um toque de baixaria que ninguém é de ferro.

No entanto, às vezes, é bom lembrar que "aquela perguntinha esdrúxula" pode até parecer engraçada e encomendada, mas faz parte de todo um sistema de educação defasado. Por um tempo eu acho melhor a gente esquecer as tatuagens do Max e começar a discutir como poderemos melhorar a educação.

 
Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA