banner multi
Capa Memória Opinião Relembrando eu e os Paralamas!
Relembrando eu e os Paralamas! Imprimir
Escrito por Eduardo Purper   
Terça, 13 de Julho de 2010 - 12:53

herbert-dudu-daniO dia 9 de outubro, para mim,começou meio sem graça, pois lá pelas onze da manhã eu tomei um belíssimo "pé na bunda" à distância. Mas como diz a minha irmã Danielle, "um pé na bunda leva a gente pra frente"!

Como eu já havia comprado, há muito tempo, o ingresso para o show dos Paralamas, decidi que o show seria o remédio para alegrar minha noite depois de um dia de dor de cotovelo. Chegando lá, coloquei na minha cabeça que iria encontrar Herbert Vianna e sua troupe nos camarins. Para me ajudar nesta missão, apareceu o meu amigo Daniel Miranda e sua namorada Janaína.

Ficamos trovando antes de começar o show sobre qual seria a melhor maneira de invadir o camarim dos caras.

Eu havia comprado ingresso para a pista, mas como não deixam cadeirantes ficar na pista, tive o privilégio de ficar no camarote vip junto com um bando de cadeirantes. Ser cadeirante tem as suas vantagens.

Eu tentava convencer os seguranças a me levar até o camarim, enquanto o meu comparsa cuidava dos seguranças do andar de baixo.

O show foi o melhor que eu presenciei naquele teatro. Herbert cantando e tocando muito a sua guitarra e fazendo solos muito empolgantes. João Baroni fantástico na sua bateria, com viradas impressionantes. E a galera numa vibe super positiva! O momento mais marcante do espetáculo foi quando a banda executou lanterna dos afogados porque a galera participou ativamente levantando os braços.

Terminou o show e fomos os três, eu, Dani e Jana para nossa complicada missão. O Dani foi, como de hábito, habilidoso e tornou a operação menos complicada do que eu imaginava, porém demorada. Ficamos na fila um tempão! Enfim, chegou a nossa vez e fiquei pensando no que ia dizer ao Herbert. Claro que não podia esquecer o recado do meu chefe, que era transmitir um abraço do Militão da banda Militão e os Recrutas! Quando eu falei no nome do Militão, o Herbert prontamente lembrou de quem se tratava e perguntou se eu tinha contato com ele. Contei que ele foi meu professor e atualmente é meu chefe. Ele bem humoradamente, respondeu: "então, diga que ele como músico é um excelente professor!".

Entramos na fase das fotos! Foi emocionante e tocante, pois o Herbert olhava pra mim e dizia: "estamos na batalha".
Conversamos mais sobre o show e ele disse que queria me ver lá de novo quando ele voltasse a Porto Alegre. Claro que eu disse que estaria lá com ele naquele camarim, com toda certeza.

Este encontro foi muito importante e emocionante para mim, porque o Herbert é um exemplo de superação e garra. Vou levar este encontro comigo para o resto da minha vida.

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA