banner multi
Capa Memória Política A nova grande polêmica: KitGay
A nova grande polêmica: KitGay Imprimir
Escrito por Gabriel Telles Ferreira   
Terça, 17 de Maio de 2011 - 15:06

bolsonaro-kitgayMaterial didático, produzido pelo MEC com apoio do FNDE e ONG Ecos, gera protestos intensos por todo o Brasil, principalmente na capital econômica, São Paulo.

Instalou-se nesses últimos meses em nosso país um debate de proporções enormes, merecendo a atenção e o acompanhamento por todos os cidadãos brasileiros, devido à importância para os rumos da orientação sexual de nossas crianças e adolescentes. Entretanto, esta discussão gerou um sentimento de intolerância que exige muita cautela e apreensão, por se tratar de um assunto relacionado ao homossexualismo.

No dia 30 de novembro de 2010, o deputado federal Jair Bolsonaro do Partido Progressista do Rio de Janeiro, durante uma Sessão Ordinária na Câmara dos Deputados, discursou durante seis minutos sobre a implementação de um convênio entre o Ministério da Educação (MEC), com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), e a ONG Comunicação em Sexualidade (Ecos) para a produção de um material didático, composto por vídeos e diversas cartilhas que abordam assuntos relacionados ao homossexualismo na adolescência. Este material, intitulado KitGay, objetiva ajudá-los a lidar com seus sentimentos, desejos, adversidades e preconceitos. Ele será distribuído para 6000 escolas públicas do Brasil a partir do segundo semestre de 2011.

Bastou isso para desencadear um conflito entre os defensores do deputado federal Jair Bolsonaro, que são contra o KitGay, e os defensores do repasse do material educativo. O ministério e as secretarias tentam utilizar-se da distribuição deste kit para o combate à homofobia. Pesquisas recentes feitas por ONGs mostram que jovens homossexuais de 6ª até 9ª séries apresentam quadros elevados de tristeza, depressão, baixo rendimento e evasão escolares.

Jair Bolsonaro e seus seguidores declaram como 'absurdo' crianças e adolescentes serem expostas a vídeos de conteúdos tão pesados, como: beijos lésbicos, garotos vestindo-se de garotas e atitudes bissexuais. Ainda segundo os mesmos, a veiculação do material será oposta ao combate da homofobia e, de certa forma, uma atitude estimuladora para um jovem heterossexual tornar-se homossexual. Já os grupos GLS consideram essa ação do MEC muito importante e concordam que ela será um instrumento de luta contra a homofobia, possibilitando o fim de muitos tabus da sociedade e conscientizando a juventude a aceitar a liberdade de expressão sexual.

A discussão agressiva, a intolerância e a falta de respeito com a escolha do outro, tornam esse assunto em um campo de guerra implacável e irresponsável. Em São Paulo, inclusive, já se têm noticias de um quase confronto corporal entre os muitos grupos que participam de manifestações sobre o KitGay.

Quem tiver curiosidade em assistir os três vídeos que integram o KitGay, basta procurar pelos links no Google, ou acessar diretamente o YouTube.

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA