banner multi
Capa Memória Política Ministro da Saúde veio ao Estado para debater políticas de combate às drogas
Ministro da Saúde veio ao Estado para debater políticas de combate às drogas Imprimir
Escrito por Anselmo Cunha   
Domingo, 22 de Maio de 2011 - 22:34

saude-crackIntegrado ao programa da Assembleia Legislativa sobre "Destinos e Ações Para o Rio Grande", ocorreu na manhã de sexta-feira (20/05), no Plenário 20 de Setembro, um debate sobre a "Política de Saúde e o Enfrentamento ao Crack".

Quem passava pelos arredores da Praça Marechal Deodoro da Fonseca, no centro de Porto Alegre, certamente percebeu a movimentação da Brigada Militar e agentes de polícia que estavam no local. O motivo era garantir segurança durante a visita do ministro da Saúde Alexandre Padilha, que junto com outras autoridades da saúde gaúcha se reuniram para debater políticas de combate ao crack no estado.

A atividade contou ainda com a presença do vice-governador do estado, Beto Grill, que ressaltou a importância de se debater uma forma de enfrentar o problema das drogas, tão recorrente no estado, "Este tema é por demais significativo, é um tema que tem preocupado a sociedade brasileira e gaúcha".

O secretário da Saúde no estado, Ciro Simoni, definiu o crack como uma "chaga social gaúcha". Ele comentou também sobre a necessidade de aprimorar as equipes de saúde no combate às drogas, através de injeção econômica e criação de projetos sociais. Simoni comentou também que é preciso dar assistência social aos usuários e não repreendê-los. "o enfrentamento deve ser ao crack, e não ao usuário da droga, pois este precisa de atenção social e tratamento", enfatizou.

O próximo a comentar o assunto foi o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Ele afirmou que o uso do crack não é apenas uma questão de saúde, mas também um problema social, e, por isso deve ser tratado com ajuda de outros setores do país. Segundo Padilha "Essa é uma luta que deve ser intersetorial. E se somente o setor da saúde enfrentar esse problema, não haverá soluções definitivas". E destacou: "Ninguém enfrenta um tema que está fortemente ligado a fragilidade social só com tratamento médico".

O ministro também citou a necessidade de ampliar as formas de tratamento dos viciados de modo que se busque entender melhor o paciente e o que o levou ao consumo da droga. Segundo ele, este conhecimento poderia servir para a criação de novas formas, ágeis e eficientes, de tratamento do problema. "Se a relação das pessoas com as drogas é diferenciada, só um sistema de prevenção não vai resolver o problema", defendeu o ministro.

Outro tópico abordado por Padilha tratou da necessidade de disponibilizar treinamento e equipamentos para os médicos de emergências, locais que segundo ele, são os mais procurados pelos usuários de drogas que buscam tratamento, "o primeiro local de tratamento que o usuário de crack procura são os centros de urgência e emergência, e estes, devem estar preparados para receber este tipo de paciente".

Representantes das entidades Crack Nem Pensar, Central Única das Favelas (CUFA) e Mães Contra o Crack estiveram presentes e relataram seus esforços no combate ao crack. Para eles, além dos cuidados com a saúde do usuário é preciso também a criação de um programa que ofereça não só apoio social ao paciente, mas também à seus familiares.

Ao encerrar o debate, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, parabenizou o trabalho dos gaúchos no combate às drogas e anunciou que o Ministério da Saúde está a disposição do estado nessa empreitada. E finalizou manifestando seu apoio aos gaúchos: "Contem com o Ministério da Saúde nesta luta".

 


Notícias relacionadas


Expediente

Mapa do Site :: Portal Universo IPA - 1º lugar na Intercom Nacional de 2008 :: Expediente
Creative Commons © 2005-2013 :: AJor - Agência Experimental de Jornalismo IPA